Pedido de Música

Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Brasilienses reclamam de aumento do preço das passagens: falta qualidade - LUZIÂNIA

Brasilienses reclamam de aumento do preço das passagens: falta qualidade

No primeiro dia dos novos valores de passagens de transporte no Distrito Federal, a opinião contrária em relação ao aumento tomou conta da Rodoviária de Brasília. Moradores de diferentes cidades do DF se colocam contrários ao reajuste de 10% feito em todos os tipos de trajeto de ônibus e do metrô. Os trechos que custavam R$ 5 passaram para R$ 5,50. Ônibus de R$ 3,50 agora custam R$ 3,85.
A diarista Miriam Ribeiro, 54 anos, foi uma das que tiveram prejuízo ao utilizar o transporte público nesta segunda-feira. Moradora do Itapõa, ela precisa pegar dois ônibus para chegar ao Guará, e mais dois para voltar. Por trabalhar com diárias, o novo aumento acabou saindo do próprio bolso e ainda foi maior neste primeiro dia por ela ter precisado levar o filho, Isac Nascimento, 9, com ela para o serviço.
“Achei o aumento um absurdo. Eu não consigo arcar com ele, então vou ser obrigada a reajustar o que cobro do meu serviço. O problema é que nem todo empregador entende”, relata. “Sem falar na qualidade do transporte. Só tem ônibus cheio. Não tem um que eu pego e consigo ir sentada. Hoje mesmo vim em pé, com meu filho, pequeno em pé. Pessoas empurrando dentro do ônibus, é muito incômodo. Sem falar que, quando o ônibus quebra, a gente precisa ficar correndo para entrar em outros que já estão lotados, chega a ser humilhante”, completa.
Seldilene Duarte, 41, também se colocou contra o ajuste, e considera que a medida não é necessária para a população. “É desnecessário ter aumento, e vai dificultar muito a vida das pessoas. R$ 0,50 já faz diferença no orçamento familiar”, compartilha a cabelereira que mora em São Sebastião.
A mesma dificuldade com o aumento do transporte é citada pela dona de casa Ivanilde Braga, 50. Moradora do Recanto das Emas, ela ainda destaca a falta de compatibilidade do aumento das tarifas com o valor do salário mínimo. “A passagem aumenta, mas o salário, não. E a qualidade do transporte não condiz. Eu até consigo pegar ônibus vazios, mas têm pessoas que reclamam de lotação e é normal o ônibus quebrar no meio do caminho”, diz.
O aumento tarifário também trouxe questionamentos relacionados à frequência do transporte. A moradora do Guará Anranir Costa, 55, reclama do novo preço frente à diminuição da frota por causa do período das férias escolares.

“Eu já fiquei 45 minutos esperando para conseguir vir do Guará até a Rodovíaria e o ônibus ainda veio lotado. É um aburdo essa mudança, porque a qualidade não melhora, mesmo durante as férias. A gente sabe que o Governo do Distrito Federal (GDF) repassa um valor alto para o transporte. Então se vamos pagar mais, tem que ter mudanças”, opina.

Protesto

O Movimento Passe Livre (MPL) organiza uma manifestação contra o aumento das tarifas de ônibus na capital federal. O protesto está marcado para terça-feira (14/1), às 18h, na Praça do Índio (703/704 Sul). No Facebook, o evento contava com 730 confirmados e mais de 1,5 mil interessados até o fechamento desta edição.
O último reajuste nas passagens de ônibus em Brasília ocorreu em 2017. As tarifas nas linhas internas subiram de R$ 2,25 para R$ 2,50 (nas de ligação curta), de R$ 3 para R$ 3,50 (circulares) e de R$ 4 para R$ 5 nas viagens de longa distância, integração e metrô.

Novos preços

O aumento, publicado na última sexta-feira (10/1) no Diário Oficial do Distrito Federal, foi de 10% para todo o transporte no Distrito Federal. As 826 linhas de ônibus tiveram reajuste. No caso das circulares internas, a mudança foi de R$ 2,50 para R$ 2,75, já as de ligações curtas, de R$ 3,50 para R$ 3,85. Os de longa ligação, opções de integração, e o metrô, passaram a custar R$ 5,50. Antes, o valor deles era R$ 5.
Fonte: CB

Deixe seu comentário:

CURTA NOSSA PÁGINA

SUA MENSAGEM

© Direitos reservados Luziânia FM - A rádio que faz parte do seu dia!